sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Figuras de linguagem

Você sabe o que são as figuras de linguagem? Pode ser que você não conheça a exata definição desse interessante recurso da língua portuguesa, mas certamente já encontrou muitos exemplos de figuras de linguagem ao longo de sua vida, especialmente nos textos que adotam a chamada linguagem literária. Quer entender melhor essa questão? O Brasil Escola vai explicar para você!
Ao trabalharmos com a linguagem, tanto na modalidade oral como na modalidade escrita, sempre buscamos explorar determinadas construções ou criar certas imagens com a finalidade de reforçar a mensagem, isto é, tentamos torná-la mais criativa e original, ainda que para alcançar esse objetivo precisemos afastar-nos dos padrões da gramática normativa. Há situações também em que subvertemos a semântica e atribuímos às palavras outros significados, significados diferentes daqueles que estão dicionarizados. Esses desvios e novos sentidos que atribuímos às palavras possuem uma função estilística, recurso conhecido como figuras de linguagem.
É importante observar que, embora desempenhem uma função estilística, as figuras de linguagem não são meros adornos em um texto, sobretudo para aqueles que adotam a linguagem literária: as figuras de linguagem podem ser consideradas, conforme palavras do estudioso da linguagem Francis Vanoye, “como uma maneira de aperfeiçoar o comportamento intelectual (reflexão, compreensão, análise) e uso mais eficaz da linguagem”. Dessa maneira, é correto dizer que as figuras de linguagem estão a serviço da comunicação, uma vez que aprimoram nossas mensagens, tornando-as mais eficientes. Quando o recurso não atinge esse propósito, ele tem apenas a intenção de enfeitar e, consequentemente, tornar a linguagem mais rebuscada, efeito que poderá prejudicar o entendimento do que se fala ou se escreve.

Esses recursos estilísticos constituem diferentes tipos de figuras de linguagem. São eles:
Figuras de construção ou sintaxe – Principais ocorrências:
Anacoluto
Anadiplose
Anáfora
Analepse
Assíndeto
Circunlóquio
Clímax
Diácope
Elipse
Epizêuxis
Inversão ou hipérbato
Pleonasmo
Polissíndeto
Sínquise
Silepse
Zeugma
Zoomorfização (ou animalização)
Alegoria
Ambiguidade
Antífrase
Antítese
Antonomásia ou perífrase
Apóstrofe
Cacofonia
Catacrese
Comparação por símile
Comparação simples
Disfemismo
Eufemismo
Enumeração
Gradação
Hipálage
Hipérbato
Hipérbole
Ironia
Litotes
Metáfora
Metalepse
Metonímia
Sinédoque
Oximoro
Personificação (ou prosopopeia)
Sinestesia

Figuras de som – Principais ocorrências:
Aliteração
Assonância
Paronomásia
Palíndromo
Paradoxo
Trocadilho
Como você já deve ter percebido, são vários os recursos estilísticos disponíveis, e todos eles são essenciais para garantir maior expressividade a um texto. Para que você conheça cada uma das figuras de linguagem, suas principais ocorrências e como elas se manifestam na linguagem literária, o Brasil Escola preparou uma seção dedicada a esse interessante fenômeno da língua, responsável por tornar nossa leitura de cada dia ainda mais instigante. Nela você encontrará, além de explicações detalhadas, exemplos que ajudarão você a compreender melhor o funcionamento desse recurso nos vários gêneros da língua portuguesa. Boa leitura e bons estudos é o que desejamos a você!

Por Luana Castro
Graduada em Letras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.