sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Entenda como o estresse interfere no cérebro das crianças

Fonte: Universia

Em geral, para toda situação de estresse nosso cérebro, há uma resposta neural e hormonal. Essa reação pode ser de luta ou de fuga, por exemplo. O estresse no ambiente escolar pode derivar de diversos fatores, que vão desde um desequilíbrio familiar até mesmo a uma semana de provas.

Quando o cérebro de uma criança percebe os indícios do estresse, o seu organismo libera uma série de hormônios, tais como o cortisol. O conjunto de reações provoca um aumento no estado de alerta e nos sentimentos de ansiedade. Além disso, a capacidade de aprendizado profunda e completa também é prejudicada. É como se quiséssemos tentar memorizar uma tabela de dados enquanto somos perseguidos por um urso: é impossível manter a concentração, certo? É importante ressaltar que o estresse, quando agudo, também impede o armazenamento da memória.


Estudos comprovam que, quando uma criança experimenta situações prolongadas de estresse no ambiente escolar, o seu cérebro repete sempre as mesmas respostas. Ou seja, é como se o seu sistema nervoso estivesse acostumando a permanecer estressado ou avançar rapidamente para uma resposta ao estresse. Essa situação constante pode prejudicar o autocontrole, a memória e o raciocínio da criança, habilidades essenciais para a sua aprendizagem.


Pesquisas também mostram que o estresse agudo e crônico é prejudicial principalmente para os estudantes mais novos. Em geral, uma criança que foi exposta a situações estressantes desde pequena tende a apresentar menos autocontrole e mais dificuldade de atenção. Em meio a uma questão tão complicada, surge a seguinte questão: como os educadores devem trabalhar com a ansiedade em sala de aula?


Segundo o economista e vencedor do Prêmio Nobel James Heckman, as habilidades sociais, os traços de personalidade e a capacidade de continuar realizando determinada tarefa podem ser ensinados aos estudantes até mesmo em idades mais avançadas. Além disso, há muitas maneiras de reduzir a ansiedade dos alunos durante as aulas. Dentre elas, podemos destacar algumas importantes:


1. Destine um lugar seguro na sala de aula para as crianças em situação de estresse


2. Encoraje a autoconsciência do aluno, fazendo com que ele reconheça os sintomas de estresse

3. Ensine-o como administrar o tempo


4. Reconheça o esforço dos alunos


5. Reserve um tempo para uma meditação dos estudantes


6. Faça algumas exceções para os alunos mais tímidos (como não chamá-lo para escrever na lousa ou ler na frente dos colegas, por exemplo).


Por fim, para que o professor tenha sucesso na redução da ansiedade dos alunos, a compreensão acerca dos efeitos do estresse sobre o cérebro é fundamental.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.