quarta-feira, 2 de julho de 2014

Os 16 diferentes dos trabalhadores brasileiros

Como trabalham os brasileiros? Como nós nos comportamos no ambiente de trabalho? Para responder a essas questões, a Staples (rede de artigos de papelaria e materiais de escritório) encomendou à agência DAVID, do Grupo Ogilvy, um estudo que identificasse as principais características  de trabalhadores no Brasil.
A resposta veio com a definição de 16 perfis de trabalhadores. Confira a lista a se seguir e veja qual deles melhor representa o seu jeito de trabalhar.
Mandão: muito bom em tomar decisões rápidas, esse tipo de profissional trabalha muito bem sob pressão. Na verdade, a pressão pode ser um estímulo. Por outro lado, pode ser visto como uma pessoa agressiva e que não se importa com a opinião dos colegas. No meio de uma crise, é eficaz em coordenar o time todo, mas não gosta de estar subordinado a alguém. O “mandão” gosta de métodos e ferramentas capazes de ajudá-lo a lidar com a pressão e a manter sua autoconfiança.
Submisso: espera sempre que alguém se antecipe e tome as decisões em seu lugar. Permite inclusive que superiores conduzam sua própria trajetória profissional. De fácil convivência, trabalha bem em equipe e, em algumas situações, pode até servir de “degrau”, impulsionando a carreira de iniciantes para crescerem dentro da empresa. Gosta de processos e métodos que o ajudem a adquirir mais confiança e a tomar decisões seguras.
Trabalhador em equipe: sempre pensa no bem de todos e considera essencial manter o bom relacionamento com os colegas. Prefere trabalhar em grupo e gosta de compartilhar e trocar ideias. Muito colaborativo, frequentemente oferece ajuda aos companheiros. O bom humor entre os integrantes da equipe é sua motivação. Prefere escritórios sem baias ou barreiras físicas que o separe dos demais. Gosta de participar de workshops e utilizar ferramentas que o ajude a trabalhar com pessoas diferentes do mundo todo, como Skype e Google Hangout.
Independente: seja um representante da Geração Y ou um designer freelance ou um advogado veterano, o profissional de perfil independente equilibra liberdade com responsabilidade. Flexível, pode trabalhar vestindo pijamas e sendo seu próprio patrão, mas tendo o controle sobre o trabalho, organizando devidamente seu tempo, atenção aos clientes e produtividade.Ao independente interessa organização, otimização do tempo e controle financeiro e de materiais utilizados em suas funções.
Inovador: “insatisfeito” por natureza, segue em busca de mudanças/novidades com força de vontade. Tecnologia não é apenas uma ferramenta, mas um símbolo de inovação. Mais presente em áreas criativas, pode se sentir deprimido em ambientes que não estimulem inovação.
Conservador: tem medo e sofre com possíveis mudanças no ambiente de trabalho. Sente-se seguro com a rotina do dia a dia, que pode entediar outras pessoas. Tem mais disposição em permanecer na mesma empresa por muitos anos e valoriza mais a estabilidade ao sucesso, poder ou dinheiro.
Metódico: valoriza a eficiência no trabalho, sempre prepara listas de tarefas e vai assinalando cada etapa cumprida. Organização conduz sua vida. Algumas pessoas podem até achar que ele é um pouquinho metódico, mas essa visão pode mudar ao tentar bagunçar a mesa dele. Interessa-se por métodos como GTD e Pomodoro, aplicativos para produtividade e atividades que estimulem a memória.
Multitarefa: corre o risco de sempre começar um novo projeto, mas nunca conseguir concluí-lo. Tem sempre muitos planos e ideias, mas não consegue manter o foco. No meio de um projeto, sente-se cansado e... começa algo novo. Pode ser muito bom para atuar em áreas relacionadas à inovação, contribuindo com boas sugestões, mas complica-se com a gestão diária de um projeto.
Idealista: o trabalho é uma ferramenta para propósitos maiores, como solucionar problemas econômicos e sociais. Por isso, altos salários ou promoções não são sua maior motivação. Para ele, vale mais ter um trabalho que se aproxime de seus ideais e valores pessoais. Interessa-se por apresentações TED e cursos motivacionais e inspiradores.
Realista: trabalha porque precisa. A rotina é um fardo, mas… O trabalho é apenas um caminho para ganhar dinheiro e pagar as contas. Não fantasia alcançar grandes realizações pessoais e profissionais com seu emprego. Nos finais de semana, interessa-se por momentos de lazer e encontros sociais que quebrem a rotina do dia a dia profissional.
O cara da happy-hour: em quase todos os grupos existe aquela pessoa que reúne a galera. Sociável, frequentemente é o profissional que circula entre os departamentos promovendo uma integração entre diferentes áreas. Todos se sentem seus amigos pessoais e não apenas colegas de trabalho. É também quem conhece novos e badalados locais para ir no meio da semana. Interessa-se por lugares legais e eventos sociais.
Introvertido: uma pessoa de poucas palavras. Sua timidez, algumas vezes, confunde os demais, que podem achá-lo um sujeito arrogante. Prefere trabalhar em ambientes silenciosos, não gosta de ser interrompido, nem de se sentir obrigado a participar de confraternizações. Interessa-se em ter seu próprio espaço, onde possa ficar recluso sem ter que interagir com outras pessoas.
Preguiçoso: por que fazer agora o que pode ser feito depois? Esse é o lema dele e, embora tente lutar contra isso, no final, sempre acaba encontrando uma desculpa para adiar o trabalho: intervalo para o cafezinho, interagir socialmente com os demais, compartilhar memes... Ele até pode se sentir culpado e partir para o debate sobre produtividade. Mas aí, se perde novamente debatendo, debatendo... e debatendo. Interessado em games online, café e redes sociais.
Workhalic: para ele, o sucesso só pode ser alcançado com trabalho duro – o que significa ficar até tarde no escritório e ainda levar trabalho para executar de casa durante os finais de semana. Não existem limites definidos entre vida pessoal e profissional. Em qualquer projeto que se envolva, mergulha de cabeça até o fundo. Sua produtividade até pode ser boa para o negócio, mas, a longo prazo, seu comportamento será prejudicial para si mesmo.
Reclamão: muito crítico, está sempre reclamando ou aguardando por uma chance para manifestar sua insatisfação. Qualquer coisa pode ser o motivo das queixas: o trabalho, o chefe, os colegas, o computador ou até mesmo o sabor do cafezinho. Visto pelos demais como o cara que está sempre contra alguma coisa ou alguém. Apesar de ser positivo contar com sua perspectiva crítica, se ele não domina esse comportamento, pode tornar-se apenas uma pessoa que trava o trabalho. Gosta de conquistar pequenos benefícios diários que alimentem um pouco seu lado otimista.
Otimista: cumprimenta a todos com um sorriso e um gesto carinhoso, todos os santos dias, até às segundas. Sente-se abençoado pelo simples fato de existir. Para ele, trabalhar é uma benção, amigos são anjos, os esforços aplicados no trabalho são reflexos de seu amor e dedicação pessoal. Afinal, ele sabe que tudo que é feito com amor “floresce”. Valoriza Deus, religião, guias de auto-ajuda, fluxos de energia e amigos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.