sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Internet é uma ferramenta útil para pesquisa, mas não vale copiar



É o que dizem os professores, mais atentos ao desempenho dos alunos, já que é possível encontrar diversos tipos de trabalho prontos na rede.

Antes da Internet era comum que os alunos visitassem as bibliotecas em busca de informações. Atualmente, eles não precisam sair de casa, basta um click e têm à disposição milhares de textos e, inclusive, trabalhos prontos. Roberta Rita Vargas Marcolino, aluna do 1º ano do Ensino Médio, no Colégio Heitor dos Prazeres, em Guaratiba, Rio de Janeiro, acha que copiar trabalho da Internet é um jeito feio de conseguir boas notas.

“Vejo muitos colegas copiando da rede. A Internet é uma ferramenta de pesquisa útil, mas não deve ser a única fonte. Procuro informações em livros, converso com professores...”, ressalta a aluna.
Para a professora Jacqueline Lima Dourado, que dá aulas de Estética e Crítica de Mídia na Universidade Federal do Piauí (UFPI), as redes sociais são uma fronteira nova e têm grande potencial, mas precisam de monitoramento.

“Uso a Internet para disponibilizar links de artigos para os alunos, sugestões de filmes, de livros, mas monitoro, e os estudantes sabem disso. Plagiar é crime e, nesse caso, a punição é a reprovação. Fazemos estudo de caso de reportagens que saem na mídia sem a devida apuração, e recomendamos que os futuros profissionais não façam isso. Senso crítico é fundamental. O professor também precisa estar preparado. Na década de 90 eu trabalhava consultando dois livros ao mesmo tempo, agora fico com dois computadores ligados”, explica.

Jennifer Soares Jorge, aluna do 2º ano do Ensino Médio no Colégio Pedro Fernandes, no Rio de Janeiro, acredita que não adianta tentar enganar os professores: eles sabem quando os estudantes estão copiando.
“Já vi professor brigando com aluno por conta de trabalho copiado. Não costumo usar muito a Internet para pesquisar, só quando necessário. Quando utilizo, tento fazer resumos do que li. Copiar não é legal, porque não aprendemos de verdade”, diz a jovem.

O aluno tem informação, mas não possui conhecimento, por isso a orientação do professor é importante, explica Andrea Ribeiro Mendes, que dá aulas de Geografia. “Nosso papel não é travar um duelo com a tecnologia, e sim trabalhar junto com ela. A cópia, se for referenciada, é válida, mas é preciso buscar outras fontes de pesquisa também. Uma vez despertado o interesse pela pesquisa, o aluno bem orientado não copia”, ressalta.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.