quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Seis fatos sobre o curso e a carreira de Publicidade

Por: Guilherme Dearo
Faculdade
O primeiro ano é mais comum com outros cursos de comunicação, com matérias conjuntas. “Esse ciclo dá uma ideia mais geral e abrangente da profissão. O aluno passa por aspectos mais teóricos de comunicação e Publicidade. Mas, a partir do segundo ano, começa a entrar nas especificidades da carreira e nas competências do dia-a-dia, como criação, mídia e planejamento”, explica Gustavo Borrmann.
Assim como a profissão, as disciplinas são diversas. Ao mesmo tempo em que há Economia, há Fotografia. Cada matéria anima um tipo de aluno, mas desanima outros. O importante é passar por tudo durante o curso para descobrir preferências.
A empresa júnior é importante, conta muito na hora de entrar no mercado de trabalho. “É importante vivenciar num ambiente seguro como uma agência funciona. Você chega a uma agência de verdade entendendo mais do processo, quais são suas responsabilidade e a dos outros”.

Os caminhos da Publicidade
Uma das coisas divertidas de se fazer Publicidade é que é muito diverso e amplo. É até difícil explicar o que é um publicitário.  Agência e empresa são os dois grandes caminhos, mas há muitas ramificações. Na empresa, pode ser marketing, financeiro, vendas, entre outros. Dentro de agência, varia muito de acordo com o produto que ela entrega, que pode ser filme para TV, produtora, conteúdo para internet…  Dentro de um modelo mais comum, pode-se trabalhar com planejamento, criação, tecnologia, atendimento, mídia, produção, entre outras.

Estágio
Por mais que existam muitas agências, tem mais demanda por vagas de estágio que oferta. Assim, não é muito fácil conseguir uma vaga, principalmente na área específica que se deseja.
O mercado exige muita competência do estagiário. E ele já é considerado ativo dentro do grupo, que costuma ser enxuto. Não será igual na faculdade, onde podem ficar 100% ensinando. Ele precisa se provar minimamente competente e aos poucos subir na empresa.
“Antes de começar a trabalhar é importante ter um portfólio para apresentar. Fazer coisas interessantes na faculdade já é um começo para preenchê-lo”, aconselha Bruno Sanchez. “Encare trabalhos legais da faculdade como experiência, não apenas para tirar nota”.

Mercado de trabalho e o dia-a-dia da profissão
Sempre há dúvidas sobre qual área seguir, você não precisa decidir logo de cara qual ramo da Publicidade você quer. É tentativa e erro, valorizar experiência. “Não pode deixar de aproveitar uma oportunidade só porque não é seu foco naquele momento ou a área que estava procurando. É importante ver como é, se é sua cara, sem medo de errar”, analisa Bruno.
Os assuntos são muito diversos, em uma mesma semana se fala de refrigerante e agrobusiness, cada dia você descobre uma coisa, mergulha em um tema diferente.

Mitos sobre a profissão
“Tem um mito de que é sempre muito fácil e é uma diversão, de que se vai ganhar muito dinheiro ao mesmo tempo em que se trabalha pouco. Não é bem assim, o nível de pressão e carga de trabalho é bem grande. Por outro lado, é um ambiente que permite ser livre para ter ideias e criar, é muito dinâmico”, analisa Gustavo.
Outro mito se refere à impressão comum entre os estudantes de Publicidade de que a parte de criação é a coisa mais legal. “Mas, a partir do momento que os semestres passam, professores e disciplinas apresentam novos pensamentos aos alunos, que descobrem outras coisas legais da carreira além da criação”, diz Gustavo.

As características importantes de um publicitário
O trabalho nunca é individual. As coisas sempre serão feitas em equipe. Então o profissional precisa saber ouvir e ser flexível, saber lidar com as pessoas, contornar divergências.
Para Bruno e Gustavo, é importante também a vontade de aprender coisas novas todos os dias e ser uma pessoa inquieta, que corre atrás de novas ideias e soluções.
Criatividade, habilidade importante, é vista como necessária só na criação. Contudo, ela é necessária em tudo, desde o atendimento e planejamento até na arte, na execução e edição de um vídeo ou de um conteúdo para mídia. “Mexer com criatividade faz com que você tenha um ambienta mais descontraído, liberdade de questionar muita coisa”, afirma Gustavo.

O publicitário também precisa ser uma pessoa que não é apegada à rotina, já que todo dia há um trabalho diferente, uma temática diferente. E o horário pode variar muito. Pode-se passar a noite da agência até chegar à resposta ideal. “Inspiração não é algo mágico. Ela é um processo, que consiste em fazer as perguntas certas. Só respondendo a essas perguntas se chega naquela ideia salvadora”, conta Gustavo. //

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.