quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Conheça os sinais de uma criança superdotada


 A superdotação envolve muitos mitos e pouca gente sabe o que ela realmente significa. Antigamente, só era superdotado quem tinha o Quoficiente de Inteligência (o QI) acima da média, mas, hoje, algumas pesquisas mostram que ele sozinho não é suficiente para fechar o diagnóstico. “Avaliamos outros comportamentos, como as habilidades geral e específica acima da média, o envolvimento em determinada tarefa e a criatividade”, conta a pedagoga Sônia Rodrigues.

Ao contrário de outros problemas ligados aos processos de aprendizado, a superdotação pode ser percebida ainda antes da fase escolar. A fase de questionamento, que geralmente acontece até os 3 ou 4 anos, aparece antes nestas crianças, e provavelmente jamais terá fim. A fala também pode ser precoce, mas o que deve chamar a atenção é a quantidade de palavras que esta criança domina.
Os superdotados têm um nível maior de concentração, memória e raciocínio, maior capacidade de generalização e abstração, grande vocabulário e capacidade de fazer várias tarefas ao mesmo tempo. Tudo isso faz com que ela tenha mais facilidade para ler e escrever antes mesmo de entrar na escola (ou mais cedo que os colegas), e estar à frente academicamente dos colegas da mesma idade.

A origem do problema
O funcionamento do cérebro destas crianças é diferente: o órgão funciona com mais eficiência e menos energia. Isso é causado pela melhor eficiência de algumas áreas específicas, como as que controlam a memória e as responsáveis pelo foco em uma atividade só, e não por mudanças nas ligações entre os neurônios, como ocorre na dislexia.
É comum que o desenvolvimento cognitivo, ou seja, o desenvolvimento da capacidade de aprender aconteça antes do que o motor (físico). Todas estas situações independem do ambiente externo onde a criança vive, mas ele pode atrapalhar ou ajudar, já que ela precisará de estímulos diferentes em casa e na escola.

Dentro da sala de aula
É na fase escolar que os sinais da superdotação começam a preocupar mais os pais e professores. Neste período, é comum ver crianças pulando séries ou que diminuindo o período escolar, mas nem sempre isso é bom.

As etapas de aprendizado de um superdotado e uma criança comum são as mesmas, a diferença está no tempo que elas levam para acontecer. O ritmo dos superdotados é mais veloz e, por isso, é comum que eles apresentem desmotivação na série em que estão, mas não se adaptem a um novo ano escolar ou apresentem problemas de relacionamento com os colegas da mesma idade.
 
É importante que os pais busquem uma escola que aceite uma criança mais jovem em séries mais avançadas desde cedo, e que respeite outras características do superdotado, como as sociais e emocionais. Os professores que lidarão diretamente com a criança também devem estar preparados para as dúvidas e novas relações que a criança estabelecerá.

O governo brasileiro criou um programa voltado apenas para estas crianças, o Núcleo de Atividades de Altas Habilidades/Superdotação (NAAHS), e segue algumas normas para integrar os superdotados em escolas públicas e enriquecer o currículo escolar. “O objetivo não é rotular estas crianças, mas sim identificar e elaborar atividades que forneçam os recursos específicos para eles”, conta Martinha Clarete Dutra, diretora de Políticas de Educação Especial da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) do MEC.

Fora do ambiente escolar, a criança superdotada só precisa de acompanhamento profissional caso haja problemas graves de socialização ou adaptação. Os pais devem ficar atentos a problemas de interação dos filhos com outras crianças e ter paciência: geralmente os superdotados são mais sensíveis e exigem mais atenção. Caso a situação interfira no relacionamento familiar, procurar um psicólogo seja a melhor saída.

Fonte:VoceSabia

Um comentário:

  1. meu filho aprendeu ler mais ou menos junto quando aprendia a falar as primeiras palavras ,+- 1 anos.
    A primeira vez que percebemos estávamos no aeroporto ele no colo ,ele apontou para uma placa e disse JACARÉ ,procuramos algum desenho de jacaré pelo local ,mas não tinha nada nem parecido .Notamos então uma placa escrita Jacarei ,achamos engraçado e claro uma mera coincidência ,pois até então isto só acontecia em filme.
    Com o passar do tempo esta ´´ coincidências ``foram aumentando .....e confirmando que ele realmente lia ,quando chegou a época da escolinha(+- 3 anos) ,ja nos primeiros dias fomos chamados para uma conversa com a psicologa da escola .
    Meu filho era diferente das outra crianças ,ficava isolado não brincava em grupo(muito diferente do comportamento que ele tinha em casa)...ficamos chocados e em panico pois a ´´profissional´´sugerio nas entre linhas da conversa ,que poderia ser AUTISMO OU SINDROME DE ASPERGER.
    Panico acho que é a melhor palavra para definir o que senti no dia ,depois de uma dezena de médicos ,um sem numero de exames ,pesquisa ,estudo ....oque sobrou foi a comprovação de um Q.I. altíssimo por testes padronizados,uma duzia de diagnósticos errados ,inclusive receitas de remédios para hiperatividade,e mais uma porção de bobagens .Oque aprendi e isto sim quero deixar registrado

    1)o despreparo para se identificar este tipo de criança é enorme ,
    2)tenho certeza que a grande maioria destas crianças ,são erroneamente identificadas e erroneamente rotuladas e tratadas (seria mais correto dizer desrespeitadas e drogadas).
    3)o desenvolvimento motor ,esta muito aquém do desenvolvimento intelectual ,o que gera uma enorme frustração ,agravado pelo elevado senso de igualdade inato a estas crianças.
    4)Não ha receita para educação desta crianças ,mas deixo aqui um mandamento aos pais antes de seguir receitas de ´´especialistas´´
    ...AMOR...COMPREENSÃO...MENTE ABERTA ...

    Converso com meu filho (hoje 6 anos )como conversaria com um adulto ,claro respeitando sua experiencia e tempo de vida,mas o raciocínio e compreensão de um fato é muito superior a muito amigo meu .
    Suas idéias a respeito de assuntos sobre politica ,economia,gestão,etc,são no minimo surpreendentes ,o que me faz compreender perfeitamente porque ele chega em casa irritado e alterado depois de ter passado um dia trancado em uma sala com 20 crianças de sua idade e uma professora que quer que ele aprenda que b+a=ba .Se ponha na posição dele ,como se sentiria??Aos pais que estão iniciando esta aventura assim como eu ,leiam muito e tirem suas próprias conclusões ,aos pais que já estão mais tempo na estrada por favor compartilhem suas experiencias .



    ResponderExcluir

Contribua deixando seu comentário.