quinta-feira, 15 de março de 2012

PF prende quadrilha que fraudava vestibulares de Medicina


           A Polícia Federal prendeu, na última terça-feira (13), 15 pessoas acusadas de fazer  parte de uma quadrilha que há 10 anos fraudava vestibulares de Medicina em faculdades privadas. De acordo com a investigação da PF, o bando atuou em pelo menos 13 processos seletivos, em cinco estados - São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul, Piauí e Goiás.
            A polícia não revelou o nome dos integrantes das quadrilhas ou das faculdades envolvidas, mas garantiu que nenhum funcionário das instituições participou da fraude. Ainda não é possível precisar o número de estudantes que passaram nos vestibulares com a fraude, mas a PF tem o nome dezenas de pessoas que pagaram os R$ 60 mil cobrados pela quadrilha para conseguirem a aprovação no curso. Todos devem responder por estelionato.
De acordo com o delegado Nelson Edilberto Cerqueira, da PF de Araraquara (interior de São Paulo), que conduziu a investigação, a quadrilha era liderada por um médico de Goiânia. Durante a operação, denominada Arcano, foram apreendidos computadores, documentos, agendas, equipamentos eletrônicos e dois revólveres.

Estudantes recebiam as respostas por meio de pontos eletrônicos.

            A investigação concluiu que os estudantes recebiam as respostas das provas por meio de pontos eletrônicos. Elas eram repassadas por alunos especialistas, que faziam os vestibulares e saíam antes do horário limite. O resultado das questões era enviado para uma central, em Goiânia, de onde eram repassadas aos pontos dos vestibulandos.
            Para fazer todo esse esquema, a quadrilha funcionava com uma equipe dividida em cinco células: os corretores, formados por alunos de cursinhos pré-vestibulares que selecionavam os estudantes e pais interessados em pagar os R$ 60 mil para participarem da fraude (a quantia só era paga com a aprovação do estudante); os treinadores, profissionais que ensinavam os vestibulandos como usar os pontos eletrônicos; os pilotos, professores de cursinho ou estudantes, especialistas em determinadas matérias e respondiam somente as questões de suas áreas; os assistentes; pessoas preparadas para enviar os dados a uma central, em Goiânia; e o coordenador, líder da quadrilha que montava os gabaritos e os enviava com para os assistentes, que por sua vez, repassavam as respostas para os pontos eletrônicos dos vestibulandos.

*Com informações de O Estado de S.Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contribua deixando seu comentário.