sexta-feira, 28 de julho de 2017

Estudar nas férias realmente faz diferença? Sim! Mas é preciso equilíbrio

Muitos estudantes aproveitam o período de pausa no ano letivo para retomar os estudos e começar a se preparar para o vestibular. Mas será que estudar nas férias realmente faz diferença? Sim, mas é preciso equilíbrio. Só estudar sem descanso pode ser prejudicial!
A ideia de estudar nesse momento é adiantar conteúdos e aproveitar que preocupações como avaliações e trabalhos ainda não voltaram. A primeira dica é começar pelo o que você tem mais facilidade e consegue memorizar melhor. Isso ajuda na hora de se motivar, dando a sensação de que os estudos estão rendendo.
Organize a sua rotina. Estudar o dia todo, apesar de parecer uma forma de se preparar mais, pode ter o efeito contrário. Lembre-se de que você terá um ano muito focado nos estudos e que a intensidade dos mesmos só vai aumentar, então, saiba organizar seus horários de forma que seja possível adiantar matérias, mas sem sobrecarregar.
Você pode até ser uma pessoa matutina, mas nas férias evite acordar muito cedo. Deixe as manhãs para descansar ao máximo, proporcionando à sua mente o maior descanso possível. Além de ajudar na memória, uma boa noite de sono colabora também com a agilidade. Acredite, esse período de “inatividade” fará toda a diferença depois.
Aproveite o tempo livre para assistir alguns filmes e começar a leitura dos livros que normalmente são pedidos no vestibular. Além de ser uma forma mais leve de estudo, um filme pode ajudar você a compreender melhor algum momento histórico, por exemplo, que você não havia entendido antes.
Não se esqueça de que, apesar dos seus objetivos, esse é um momento para relaxar também e não há nada de errado em aproveitá-lo. Todo o descanso proporcionado pelas férias fará diferença na hora que a rotina ficar mais puxada e você vai agradecer por ter reduzido um pouco o ritmo.


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Saiba como funciona o ensino superior no Brasil

O acesso à educação superior no Brasil tem crescido consideravelmente nos últimos anos, atingindo a marca de mais de 7 milhões de estudantes matriculados, de acordo com o Censo da Educação Superior, divulgado pelo Ministério da Educação, em 2013.

Cada vez mais estudantes estão concluindo o ensino médio e buscando uma graduação. Paralelo a isso, o dinamismo e exigência do mercado de trabalho tem pedido profissionais especializados e qualificados, sendo esse um dos motivos que tem levado os brasileiros a buscar um diploma universitário.

Apesar de reconhecer a necessidade de obter aptidões especializadas para a construção de uma carreira estável, alguns estudantes saem da escola sem saber como funciona o ensino superior.

Oferecido por universidades, faculdades, centros universitários, institutos superiores e centros de educação tecnológica, e sendo ofertado nas modalidades presencial e a distancia (EAD), o ensino superior no Brasil é representado da seguinte forma:


Graduação
São três os tipos de graduação, sendo elas, bacharelado, licenciatura e formação tecnológica. Com o grau de bacharelado o profissional tem competência para atuar na sua área de formação, com a licenciatura ele está habilitado para dar aulas, já a formação tecnológica é muito mais específica, centralizada e de conteúdo e duração menor.


Pós- Graduação
Os cursos de pós-graduação são divididos entre lato sensu, que são as especializações e MBAs e strictu sensu, referente aos cursos de mestrados e doutorados.

O que também tem fomentado esse crescimento educacional são os programas de incentivo a educação como Prouni, Fies e Pronatec, criados pelo governo federal, bem como os de iniciativa privada como o Educa Mais Brasil, que é consolidado como o maior programa de inclusão educacional do país.  


Ascom – Educa Mais Brasil

Feliz dia do Vovô e da Vovó ❤


Hoje é o dia do... “coma mais um pedaço porque você está pele e osso.” 🐋😂 😂💙
Parabéns para todas as vovós e os vovôs. Fonte de sabedoria. ❤


Saiba como o excesso de confiança pode prejudicar a sua carreira

Ter confiança, seja na área profissional ou pessoal, é fundamental. Porém, em excesso, pode pôr tudo a perder. Se você pensa que ser extremamente confiante vai fazer a diferença na sua carreira, você está certo. Mas pode não ser de maneira positiva.
A seguir, saiba como o excesso de confiança pode prejudicar a sua carreira:
O principal motivo de confiar de mais em si mesmo ser perigoso é que, ao fazer isso, sentimos que não temos mais o que aprender. Uma pessoa muito confiante acredita que já sabe tudo, logo, não precisa mais desenvolver novos conhecimentos, o que acaba trabalhando justamente na direção oposta: você acaba se fechando para as novidades.
Excesso de autoconfiança pode se transformar em arrogância. Em geral, pessoas arrogantes tendem a não ouvir a opinião ou sugestões dos outros, tomando decisões sozinhas e, muitas vezes, sem consultar até mesmo aqueles que estariam envolvidos em determinada questão. Isso pode gerar maus gestores e líderes com problemas de comunicação.
Acreditar em si mesmo é fundamental, mas sempre é preciso ter cuidado com excessos. Como diz Millôr Fernandes, “quem sabe tudo é porque anda muito mal informado”. Sempre há algo a ser aprendido e não há nada melhor para um trabalho – e para a sua carreira – do que trocas. Aprenda a manejar a confiança e absorva o melhor de todos.

terça-feira, 25 de julho de 2017

Ter domínio do Inglês favorece boa colocação no mercado de trabalho


“Do you speak english?” (Você fala inglês?). Essa é uma questão que grande parte dos recrutadores observam nos currículos dos candidatos às entrevistas de emprego e a resposta positiva pode fazer toda a diferença para uma boa colocação no mercado de trabalho.

Falar fluentemente o inglês tornou-se exigência básica, principalmente para organizações com relações de negócios estabelecidas no exterior. Isso pode ser comprovado na última pesquisa salarial realizada pela Catho, com pouco mais de 40% dos profissionais, que possuem domínio avançado ou fluente de inglês, em cargos a nível de gerência, diretoria e presidência.

Para chegar a essa conclusão, foram entrevistadas mais de 13 mil pessoas e entre os fluentes estão os profissionais do grupo dos graduados/ especialistas. Também de acordo com a pesquisa, falar inglês equivale a ganhar o salário 56% maior para cargos de gerência/diretor/presidente, enquanto 32% para profissional especialista/graduado e 20% para analista.

Quem não domina o idioma pode ficar em desvantagem além de prejudicar a própria carreira profissional, já que a língua inglesa é considerada a terceira língua mais falada no mundo.  Por isso, vale a pena investir em cursos de idiomas. No Educa Mais Brasil, por exemplo, é fácil adicionar essa qualificação no currículo, pois o programa disponibiliza há 14 anos bolsas de estudo, entre elas, de idiomas e com essa iniciativa vem ajudando estudantes e profissionais que não tem condições de arcar com uma mensalidade integral a incrementar o currículo.

As inscrições para realizar um curso de inglês e demais cursos oferecidos pelo programa de inclusão educacional são gratuitas e podem ser feitas por meio do site www.educamaisbrasil.com.br.



Ascom – Educa Mais Brasil

Dia do Escritor Brasileiro 💙💛💚

Hoje é o dia nacional de Mario Quintana, Jorge Amado, Clarice Lispector, Machado de Assis, Mário de Andrade, Cecília Meireles e a todos os outros escritores e escritoras do Brasil! 💙💛💚
Tem algum(a) escritor(a) que conquistou você ao longo dos anos?
Conte para a gente! 😊
Parabéns a todas as pessoas que se dedicam à arte da escrita e criam livros maravilhosos. 👏👏👏