quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Gente que inspira - Paulo Coelho


Paulo Coelho é escritor, letrista, e ainda um dos mais famosos pela literatura da atualidade. O escritor já vendeu 100 milhões de livros, em mais de 150 países, com obras traduzidas para 66 idiomas, sendo autor da língua portuguesa, mais vendido. Paulo nasceu em 1947, e foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, no ano 2002.

4 truques de pesquisa do Google que você precisa saber

O Google é, sem dúvida, uma das ferramentas de tecnologia mais importantes que temos a nossa disposição. Entre suas centenas de serviços, que vão de e-mail a cursos on-line gratuitos, o que mais se destaca é a ferramenta de buscas na internet, que permite encontrar os melhores resultados para conteúdo, imagens, notícias, sites, vídeos e muito mais.
Apesar de a barrinha de pesquisas do Google ter se tornado um instrumento de uso cotidiano, muitas pessoas não conhecem todas as suas funcionalidades. A seguir, conheça 4 truques para otimizar suas buscas no Google e chegar mais rápido aos resultados que deseja:



1) Sinal de subtração
Quando quiser eliminar uma palavra de sua busca, basta adicionar o sinal de subtração para que o termo não apareça nos resultados.
Exemplo: Dicas de estudo para química – orgânica
Se você quer aprender mais sobre Química, mas não se interessa pelos conteúdos de Química Orgânica, por exemplo, utilize esse truque para segmentar a pesquisa.



2) “Site:”
Se você quer achar notícias, editoriais e conteúdos específicos de um único portal da internet, escreva “site:”, depois o nome do site que deseja acessar e, por último, o termo do seu interesse.
Exemplo: site: universia brasil enem 2016
Dessa forma, você encontrará todo o conteúdo sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 produzido pela Universia Brasil.



3) Asterisco

Quando você está em busca de uma frase, título de livro ou filme, mas não se lembra muito bem do seu nome completo, utilize o asterisco no lugar das palavras que não sabe.

Exemplo: Memórias de um * de milícias resumo
O Google entenderá que você não se lembra dessa palavra e fará a busca pelo termo, mesmo que incompleto.



4) Três pontos

Se você está pesquisando um produto para comprar na internet e quer limitar os valores, utilize três pontos seguidos. Veja a seguir:

Exemplo: livros didáticos $20...$40
Assim você terá somente resultados nessa faixa de preço.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Enem 2016: veja os temas que podem ser cobrados nas provas

Os estudantes que irão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em novembro já começaram a se preparar para a prova. Para colaborar com o desempenho destes alunos, a Universia, maior rede ibero-americana de cooperação acadêmica, reuniu dicas de professores de cursinhos pré-vestibulares sobre quatro temas que estão em alta e podem ser abordados.

É de extrema importância que os vestibulandos estejam atentos aos assuntos que estão sendo abordados mundial e nacionalmente. E que não se prendam apenas aos conteúdos das matérias clássicas, como português e matemática.


Confira a lista: 


Com a grande epidemia vivida pelo País, a doença pode ser tema de questões da prova. É importante que o aluno saiba como é dada a transmissão, as diferenças dos sintomas do Zika, da Dengue e da Chikungunya e as medidas preventivas para quebrar o ciclo da doença. Se o assunto for tema da redação, que sempre deve apresentar uma proposta de intervenção, o ideal é que o candidato apresente uma solução mais política, focando em ações para erradicar a doença, como tratamento de água e esgoto, coleta de lixo, distribuição correta da água no ambiente e eliminação de vegetação ciliar que envolve os rios.



O feminismo e o empoderamento já estiveram na prova de 2015 em uma questão protagonizada por ideais de Simone de Beauvoir e pode retornar esse ano, já que o Enem é bastante ligado à questão dos direitos humanos. O termo “empoderamento” remete a ações que estende o acesso de grupos, comunidades e pessoas a direitos que, por motivos históricos ou sociais, estão de alguma forma privados ou isolados deles. Os exemplos que podem aparecer na prova são a questão racial, de gênero ou de grupos homoafetivos. O assunto também pode ser abordado a partir da representatividade, tendo como ponto de partida a ideia de que quanto maior a representatividade, maiores as chances de pautas específicas de cada grupo ficarem em evidência.



Com os recentes casos de ataques terroristas em países como França, Bélgica, Turquia e Indonésia, essas e outras questões relativas ao Oriente Médio podem ser cobradas no Enem 2016. Para ter um bom desempenho na prova, mais do que conhecer as notícias recentes, é essencial ter uma noção da formação histórica do Iraque, das questões que envolvem a Síria e as origens dos conflitos na região. Em geral, a prova foca mais em assuntos nacionais, mas esse tema pode aparecer na forma de textos e imagens em que é exigido do aluno a interpretação e a habilidade de confrontar visões diferentes. A principal dica é tomar cuidado com unilateralismos e preconceitos, que são bastante combatidos pelo exame.



A liberdade de expressão e a tolerância são assuntos cada vez mais debatidos dentro da esfera social e, por isso, podem ter espaço em avaliações importantes. Nesse contexto, podem ser abordados momentos históricos em que o direito à liberdade de expressão foi suprimido, como durante regimes totalitários, no feudalismo e na Santa Inquisição. Caso o tema apareça, o maior cuidado que o candidato deve ter é defender a liberdade de expressão sem ferir os direitos dos outros indivíduos.


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Orientadora pedagógica dá 4 dicas de estudo para o Enem

Faltando pouco mais de dois meses para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016, que acontecerá nos dias 5 e 6 de novembro, a rotina de estudos para a prova já deve estar a todo o vapor. No entanto, é preciso ficar atento à forma como você estuda, já que muitos fatores podem prejudicar o rendimento e desperdiçar horas preciosas em frente aos livros.

Para garantir que você tenha o melhor aproveitamento possível, a Universia Brasil reuniu as dicas da orientadora pedagógica Jane Rapoport, da Escola Dínamis, que ensina as melhores práticas para garantir um bom desempenho durante os estudos. Veja a seguir:


1. Seja organizado
E não estamos falando somente sobre organização do conteúdo e dos horários, mas do ambiente de estudo. Antes de começar, encontre um lugar sossegado, arejado e com boa iluminação. É preciso que a mesa esteja livre e que você esteja longe de qualquer material que possa causar distração, como revistas, fotos, jogos e o smartphone. Além dos livros e cadernos, papel, fichas, lápis, caneta, borracha e um bom dicionário estão liberados.


2. Tenha motivação
Uma boa forma de não se perder nos estudos é encontrar um objetivo para todo o seu esforço. Isso vai te manter perseverante e pode garantir o sucesso na prova.


3. Concentração e foco
A concentração está diretamente ligada à força de vontade do estudante em controlar seus impulsos e se afastar de pensamentos distrativos. Se não houver foco, de nada adianta utilizartécnicas de aprendizagem sofisticadas ou acompanhamento dos estudos.


4. Planejamento é essencial
É importante que haja um planejamento prévio das horas de estudo, considerando suas outras atividades do dia. Além disso, é preciso saber organizar o conteúdo neste período de tempo, distribuindo bem as matérias.


Para isso, a pedagoga sugere a criação de um quadro-horário, para distribuir o tempo dedicado ao estudo de forma diária e semanal. Segundo Jane, para garantir um bom rendimento, é interessante que esses períodos tenham duração de 50 minutos, com 10 de minutos de pausa entre eles para o aluno “refrescar a cabeça”.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Bolsas de estudo de até 70% para MBA em Gestão de Projetos


Esta Pós-Graduação é a aplicação de técnicas, conhecimento e habilidades para garantir que um projeto tenha sucesso.
Gerenciar, administrar, coordenar ou gerir um projeto envolve todas as etapas apresentadas, do início ao fim, com planejamento, execução e controle das atividades. 


Como a educação pode mudar o mundo

A educação tem o poder de mudar o mundo? Para a UNESCO, ela é, sem dúvida, uma ferramenta poderosa. Na última terça-feira (6), a organização divulgou o Relatório de Monitoramento Global da Educação 2016, cujo tema é “Educação para as Pessoas e o Planeta: criar futuros sustentáveis para todos”.
O relatório chama atenção para a necessidade de repensar a educação, para que ela extrapole o conceito de transmissão de informações, que está defasado e não corresponde com as atuais necessidades do mundo em que vivemos.


Para isso, a UNESCO elencou uma série de fatos e projeções que comprovam como a educação pode ser poderosa e participar ativamente do desenvolvimento sustentável esperado pela ONU na Agenda 2030, que reúne metas relacionadas a questões sociais, políticas, econômicas etc.


A seguir, confira 10 superpoderes da educação e entenda por que ela é a principal forma de mudar o mundo: 

1. Reduz taxas de natalidade

Segundo dados da UNESCO, o acréscimo de um ano no sistema educacional de Madagascar, na África, aumentou em 0,5 ano o intervalo de tempo entre os nascimentos na região.


2. Reduz impactos de desastres naturais
Se o progresso educacional continuar estagnado, ele pode levar a um aumento de 20% no número de mortes por desastres naturais no mundo.


3. Melhora a produtividade da agricultura
Espera-se que a produção agrícola cresça no mínimo 70% até 2050. A educação focada em questões do campo pode aumentar a produtividade em 12% e a receita líquida do negócio em 19%.


4. Combate a pobreza
Aumentar o número de alunos no ensino superior em 10 países da União Europeia resultaria em uma diminuição no risco de pobreza e uma economia de 3,7 milhões de euros em gastos relacionados ao problema.


5. Supre as necessidades do mercado de trabalho
Aumentar o nível de educação é sinônimo de melhores profissionais. Em 2015, cerca de dois terços dos trabalhadores do mundo estavam empregados em funções que exigiam apenas habilidades medianas. Sem uma mudança, no ano 2020 haverá um déficit de 40 milhões de profissionais especializados e prontos para encarar as demandas do mercado.


6. Reduz as diferenças entre gêneros
Atualmente, com a educação estagnada, apenas 19% dos chefes de Estado ou de governo são mulheres. Além disso, elas realizam duas vezes mais trabalhos não-remunerados do que os homens.


7. Diminui a mortalidade infantil e a taxa de fecundidade
As mães com acesso à educação têm uma probabilidade de 90% de alimentar os filhos exclusivamente com leite materno, pelos seis primeiros meses de vida. Além disso, na Nigéria, quatro anos a mais na educação reduzem a taxa de fertilidade em um bebê por jovem mãe.


8. Representa menor criminalidade
Nos Estados Unidos, se mais 5% dos homens terminassem o ensino médio haveria um aumento de US$ 20 bilhões na economia, por conta da redução de gastos com o crime e também do aumento de receita.


9. Aumenta a participação política construtiva
Em 106 países analisados pelo relatório, pessoas com níveis mais elevados de educação foram mais propensas a se envolver em protestos não-violentos. Em 102 países, adultos com o ensino superior completo eram 60% mais interessados em cobrar informações do governo do que aqueles com ensino fundamental ou menos.


10. Diminui sonegação fiscal
Para a UNESCO, a educação de má qualidade pode diminuir o cumprimento com as obrigações fiscais, ou seja, pagamento de impostos para o governo. Entre 1966 e 2010, segundo a organização, a baixa escolaridade resultou em uma queda da receita fiscal em 123 países.